Câncer

null

Câncer

Saiba mais sobre o câncer

O que é?

Câncer é o nome dado para designar um conjunto de mais de 100 doenças caracterizadas, basicamente, pelo crescimento anormal das células. Essas células se dividem rapidamente, multiplicando-se de forma incontrolável, o que leva à formação de tumores.

O tumor pode ser de dois tipos: tumor benigno, que não se espalha no organismo e, embora possa causar problemas, não costuma representar um risco de vida ao paciente; e tumor maligno, cujo crescimento desenfreado das células pode produzir o processo de metástase.

A metástase ocorre quando esse crescimento desordenado das células faz com que elas invadam tecidos e órgãos, podendo se espalhar para outras regiões do corpo.

O câncer, quando não tratado, pode acarretar sérias complicações de saúde, levando inclusive à morte.

Como começa?

As células do nosso organismo crescem, dividem-se e morrem: um processo natural, ordenado e saudável. Assim, em condições consideradas normais, a divisão celular é um processo que permite a formação e a regeneração dos tecidos do corpo.

O câncer tem início quando as células de um órgão ou de um tecido começam a crescer de forma anômala, isto é, de modo diferente do crescimento normal, multiplicando-se de forma incontrolável.

O surgimento dessas células cancerosas ocorre devido a uma alteração danosa no DNA, gerando o fenômeno chamado de mutação genética. O DNA, sigla em inglês que significa ácido desoxirribonucleico, é um composto orgânico, cujas moléculas contêm instruções genéticas que coordenam o funcionamento de todas as nossas células.

Assim, alterações no DNA podem causar o aparecimento de cânceres. Os fatores que causam essas alterações na estrutura genética das células e que, consequentemente, podem causar o câncer, podem ser externos ou internos ao organismo.

As causas externas estão relacionadas à exposição a determinadas condições do meio ambiente e aos hábitos e estilo de vida da pessoa. A maior parte dos cânceres – cerca de 80% – têm relação com os fatores ambientais. Hoje se sabe, por exemplo, que o uso do tabaco, bebidas alcóolicas, determinados componentes alimentares e medicamentais, a exposição excessiva ao sol e outras condições ambientais são alguns dos principais agentes que contribuem para o desenvolvimento do câncer.

As causas internas, geralmente, são pré-determinadas geneticamente. Nesses casos, uma pessoa pode ter herdado um DNA anômalo, pode apresentar histórico familiar e pode, inclusive, estar mais ou menos predisposta ao desenvolvimento de câncer devido ao grupo étnico ao qual pertence.

É difícil, todavia, delimitar com precisão e certeza inequívoca a causa que levou a uma pessoa ser acometida por essa doença.

Tem cura?

Durante muito tempo, o câncer foi bastante temido e suas causas eram desconhecidas. Com o avanço da ciência e da medicina, contudo, muitos agentes cancerígenos foram identificados, possibilitando a prevenção, o tratamento e inclusive a cura dessa doença.

Os diversos tipos de câncer apresentam diferentes comportamentos, diferentes níveis de gravidade e, portanto, diferentes formas de tratamento. Por isso, o paciente com câncer deve receber um tratamento bastante específico e adequado ao seu caso.

O câncer pode ser tratado por meio de quimioterapia, radioterapia, transplante de medula óssea e cirurgia, podendo ainda ser necessária uma combinação entre esses tipos de tratamento.

Para a melhor eficácia do tratamento e maiores chances de cura, é importante que o câncer seja detectado cedo. Por isso exames preventivos e de rotina são fundamentais, uma vez que eles ajudam a detectar a doença precocemente e, por conseguinte, possibilitam um tratamento mais eficaz e menos agressivo, permitindo conter a multiplicação desenfreada das células e viabilizando até mesmo a cura.

Metástase

Metástase é uma fase do tumor maligno, em que as células cancerosas começam a se espalhar para outras partes do organismo, não se mantendo apenas no seu local de origem. Esse processo de alastramento do câncer leva à formação de novos tumores, que vão tomando conta de todo o tecido normal, com o decorrer do tempo.  

Tipos de câncer

O tipo de câncer está relacionado ao órgão acometido no momento da origem dessa doença: se o câncer se iniciou no pulmão, por exemplo, ele será designado como câncer de pulmão.

O câncer ainda corresponde ao tipo de célula do corpo e, nesse sentido, o câncer de pele, por exemplo, pode ser de diversos tipos, visto que a pele tem vários tipos celulares.

O câncer pode ainda ser dividido em categorias mais abrangentes. Algumas delas são: carcinoma, cânceres cujo início se dá nos tecidos epiteliais (pele, mucosa, tecido que reveste órgãos); sarcoma, cânceres que começam nos tecidos conjuntivos (osso, cartilagem, músculo, entre outros) e leucemia, câncer que se inicia no tecido produtor de sangue (medula óssea).

Segundo câncer

O diagnóstico precoce e o avanço na medicina têm proporcionado grandes chances de sucesso no tratamento do câncer. Aqueles que vencem a doença e se curam não estão isentos, contudo, da possibilidade de desenvolver um novo câncer: daí o nome “segundo câncer”.

O segundo câncer se diferencia da recidiva, pois esta se caracteriza pelo retorno do câncer após o tratamento ou após a cirurgia cujo objetivo era a cura dessa doença, enquanto que o segundo câncer se trata do aparecimento de um novo tipo de câncer. O diagnóstico do segundo câncer não tem relação com o primeiro, mas pode acontecer de o novo câncer se manifestar no mesmo órgão que o anterior.

Câncer avançado

Quando o câncer começa a crescer e se propagar para outros órgãos significa que a doença já está em fase avançada, caracterizando um câncer metastático. No estágio avançado, o tratamento começa a se tornar mais limitado, tendo como objetivo maior conter o desenvolvimento do câncer, visando a prolongar a vida do paciente, além de aliviar possíveis sintomas.

Muitos cânceres em estágio avançado ou em processo de metástase podem não apresentar sintomas. Quando ocorrem, eles variam conforme o tipo de câncer e estão ligados à localização do tumor e da metástase.

Assim, o câncer de pulmão pode provocar tosse e falta de ar; o tumor que alcança os ossos pode causar dor e fratura; a metástase no fígado pode causar inchaço no órgão, náusea e icterícia; e dores de cabeça, convulsões, vertigem e outros sintomas neurológicos podem indicar que o câncer atingiu o cérebro.